Estudo aponta falta de investimentos para recuperar mananciais de São Paulo

April 27, 2017

Relatório alerta sobre as prioridades o setor hídrico, mas a crise da falta de água de 2014 e 2015 'não ensinou nada para as autoridades paulistas', aponta coletivo

 

São Paulo – Mais da metade dos principais mananciais que abastecem a macrometrópole paulista apresentam um grau de fragilidade ambiental alto ou muito alto. É o que aponta o estudo Mananciais paulistas como prioridade na agenda pública, realizado pelo Instituto Democracia e Sustentabilidade (IDS) e pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (USP).

 

Segundo a pesquisa, 575 mil hectares de mananciais, o equivalente a 24% da área total, necessitam de ações de restauração ambiental. Outros 646 mil hectares (27%) são cobertos por vegetação nativa e deveriam ser objeto de uma estratégia de conservação. De acordo com o levantamento, isso compromete a capacidade de produzir água para a região.

 

"Esse estudo é um 'cutucão' nas autoridades, para que essas áreas sejam objeto de preocupação. Não é um tema fácil de ser resolvido, existem questões de ordem, como a quem pertence esses locais. Então é um diagnóstico, mas soluções e debates precisam ser feitos", afirma o pesquisador do IDS Guilherme Checco, em entrevista ao repórter Jô Myagui, da TVT.

 

Os sistemas de abastecimento pesquisados estão nas regiões da Grande São Paulo, Campinas, Baixada Santista e Vale do Paraíba, que abastecem 75% da população do estado.

 

O sistema Billings-Guarapiranga é o mais preservado, com 40% ocupado ou precisando de restauração. Entretanto, nos demais, a situação é bem pior. Segundo a pesquisa, a mais crítica é a bacia dos rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí, em que 82,5% da área está ocupada ou degradada.

 

Já o sistema Cantareira, que abastece 5,5 milhões de pessoas na Grande São Paulo tem 33% da área ocupada e precisa restaurar quase 20%.

 

Edson Aparecido, do Coletivo de Luta pela Água, alerta que, sem conservar e recuperar o meio ambiente, a Sabesp e o governo do estado buscam água em lugares cada vez mais distantes. "É fundamental você preservar áreas de mananciais, porque são as áreas que garantem a matéria prima para a produção de água que abastece a população da região metropolitana", diz.

 

Guilherme calcula que seriam necessários entre R$1,4 bilhões e R$ 2,4 bilhões para restaurar as áreas degradadas. "A gente sabeque a água é uma matéria prima para várias atividades e necessidades nossas, então esse dinheiro não é um gasto, é um investimento de ordem na saúde, de abastecimento público, em atividades econômicas e agrícolas."

 

O relatório alerta sobre as prioridades do setor hídrico, e que a crise da falta de água de 2014 e 2015 parece não ter ensinado nada para as autoridades, afirma Edson Aparecido. "Quanto menos área protegida você tem, quanto mais áreas ocupadas existem, menos água você produz."

 

 

 

 

 

Please reload

Notícias recentes
Please reload

Procurar por tags
Please reload

ORGANIZAÇÃO